Bonjour, Paris # Dia 4/6

Era um dia gelado, nublado, estranho.

Partimos até à Place de la République. O ambiente era de cortar a respiração. 10h da manhã – frustração, medo, fé, tanto sentimento num espaço só. Decidimos mudar um pouco o nosso roteiro e prestar a nossa homenagem às vitimas dos atentados, que tinha espalhado o terror duas semanas antes de irmos.

(E não soubemos que às 13h o caos se tinha instalado na Praça. Apenas tomámos conhecimento à noite, ao ver o noticiário.)

DSCF5888 (2).JPG

44.JPG

Sem a possibilidade de fazer manifestações, uma organização espalhou milhares de sapatos na praça da República para chamar a atenção dos líderes mundiais. O Papa também enviou um par.” (vejam na Notícia)

43.JPG

Continuámos a nossa caminhada, em direcção ao Centre Pompidou. Estávamos curiosos, sabíamos que iríamos encontrar algo diferente, um edifício invulgar, uma construção atípica, contudo, com a certeza de que não iria defraudar as nossas expectativas. É um edifício inspirado na arquitectura industrial dos anos 70, desenhado pelos arquitectos Enzo Piano e Richard Rogers.

Tubos e mais tubos, de variadíssimas cores, de diferentes tamanhos. Uma fila imensa, é com certeza um dos locais com maior procura em Paris. Infelizmente não foi possível entrar e descobrir o que tinha para nos mostrar, mas entre arte moderna, música e obras de diferentes artes, haverá muito que conhecer. 

dscf5910-2

dscf5912-2

Pelo caminho comemos uns macarrons (Mentira! Eram caros e só um não enchia a barriga. O pior erro de toda a viagem! )

DSCF5906.JPG

Era Domingo, as ruas estavam vazias e deambulámos por elas. Parecia uma cidade fantasma, onde não eram os pontos assinalados nos roteiros, claro.

 DSCF5927 (2).JPG

DSCF5926 (2).JPG

Este talvez foi dos Largos mais caricatos que vimos. Place Igor Stravinsky, tal como o nome indica, homenageia o compositor. As peças escultóricas são da autoria de Niki de Saint Phalle.

DSCF5937 (2).JPG

E chegámos a um dos pontos altos da viagem – a Catedral de Notre Dame.

E … filas e mais filas.

Para ver o interior, a fila anda rapidamente. Vale a pena ir na hora da missa, já que o espaço pede aquela atmosfera mística, com cânticos, órgãos e sinos.

DSCF5946 (2).JPG

A Catedral foi iniciada no século XII e terminada no século XIV, ao estilo Gótico. Ao longo dos tempos, foram várias as alterações, consoante o estilo predominante da época.

DSCF5948 (2).JPG

DSCF5952 (2).JPG

DSCF5983 (2).JPG

DSCF5972 (2).JPG

O topo. O virar da esquina, o entrar na porta, subir aqueles mil e um degraus. Oh, ups, uma fila que dá a volta ao quarteirão. Horas de espera e um frio que chegava a todos os cantos dos ossos. Mas valeu a pena, oh se valeu.

DSCF5984 (2).JPG

Ver as Gárgulas foi talvez das melhores partes da visita. Voltámos a recordar o Corcunda de Notre Dame e a nossa infância. Pronto, admitimos, arrepiámo-nos.

48.jpg

DSCF5986 (2).JPG

DSCF5995 (2).JPG

DSCF5996 (2).JPG

DSCF6025 (2).JPG

DSCF6029 (2).JPG

Continuámos. Comprámos umas sandes pelo caminho, mas nem parámos para comer. Estávamos com bichos carpinteiros e não quisemos parar.

49.JPG

Ok, parámos para a típica fotografia junto ao Sena.

DSCF6049 (2).JPG

Havia um lugar que tínhamos no roteiro, mas que pensámos ‘Ah, vamos se tivermos tempo.’

Procurámos pelo quarteirão todo e nada. Estávamos a segundos de desistir e lá a achámos. Não íamos com grandes expectativas, sinceramente fomos porque não pagávamos. (bilhetes de borla para menores de 26 anos).

DSCF6069 (2).JPG

Foi talvez a surpresa do dia e dos lugares mais fantásticos que visitámos até hoje. A Sofia estava radiante e ela só desejava poder ficar ali sentada durante horas a observar cada detalhe. Estamos a falar de Sainte-Chapelle.

50.JPG

É uma capela gótica, construída no século XIII. Os seus vitrais são algo do outro mundo e são emoldurados por pedra cuidadosamente esculpida. Pronto, é fantástica.

Íamos com a intenção de seguir para o Musée d’Orsay, mas tivemos que fazer umas paragens … (Porque os nossos olhos não deixavam continuar caminho, sem entrar em alguns sítios!)

DSCF6072 (2).JPGUniversité Paris-Sorbonne

 DSCF6076 (2).JPG

51.jpgPanthéon, séc. XVIII, pelo arquitecto Soufflot, ao Estilo Neoclássico.

DSCF6113 (2).JPGJardin du Luxembourg

53.JPG

54.JPG

DSCF6121 (2).JPGMeridiano de Saint-Sulpice, séc. XVII

DSCF6130 (2).JPG

55.JPG

Como era de esperar, com tanta paragem chegámos tardíssimo ao Musée d’Orsay. Nem 1/4 vimos. A Sofia bem correu para ver os quadros do Van Gogh e ficou frustrada porque não os viu com olhos de ver. Ficará para uma próxima visita para ver com mais atenção.

O edifício, que actualmente alberga o museu, era originalmente uma estação ferroviária, Gare d’Orsay.

Terminámos o dia/noite na Torre Eiffel. Sim, ainda tivemos força. Aterrámos na cama que nem tordos, porque no dia seguinte íamos voltar a ser crianças e queríamos ter energia. Muita, aliás!

Sofia e Sérgio

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s